segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Ovelhas suíças já podem avisar sobre ataque de lobos via SMS


O biólogo suíço Jean-Marc Landry está promovendo a inclusão digital de ovelhas.

Involuntariamente, os quadrúpedes sob os testes de Landry estão enviando mensagens de texto com o uso de um colar que detecta o aumento de sua frequência cardíaca --o que ocorre quando da presença de um lobo, por exemplo.

O SMS seria enviado para seus donos.

Além do envio de mensagens de texto por celular, são cogitados os métodos de alerta sonoro e de spray químico para repelir os lobos.

Ovelhas e cães pastores em Les Diablerets (Suíça), onde dispositivo faz caprinos enviarem SMS automático

O intuito é frear os crescentes ataques dos caninos que vão da Itália até os Alpes suíços em busca das vulneráveis presas, em especial as que pertencem a criadores que não têm renda suficiente para comprar cães pastores, segundo a BBC.

Os testes com protótipos estão sendo realizados nas proximidades de Les Diablerets, na cadeia de montanhas bernesa, e incluem monitores cardíacos similares aos utilizados por corredores e ciclistas.
Quando submetidos a estresse, os caprinos praticamente triplicam seu batimento cardíaco que, em nível normal, fica entre 60 e 80 batimentos por minuto.

Landry, que faz parte do grupo suíço de estudo de carnívoros chamado Kora, disse à rede britânica que os primeiros dispositivos serão produzidos entre setembro e dezembro

Fonte | folha.uol

Jipe Curiosity pousa em Marte e envia primeiras imagens do planeta

Em uma operação tecnicamente perfeita, o jipe-robô Curiosity pousou nesta madrugada próximo à região equatorial de Marte. A viagem durou mais de 8 meses e após desembarcar na superfície o jipe entrou em contato com a Terra e enviou as primeiras imagens de baixa resolução.

De acordo com o calculado, exatamente 02h32 BRT da madrugada o jipe-robô Curiosity tocou a superfície marciana, baixado ao solo por uma espécie de guindaste espacial suspenso no céu. Apesar da precisão da operação, a confirmação do pouso só ocorreu 13 minutos e 40 segundos depois, tempo necessário para que os sinais enviados pelo jipe ao satélite Mars Odyssey Orbiter percorressem os 250 milhões de quilômetros que separam atualmente Marte da Terra.


A todo instante, engenheiros e pesquisadores reunidos no JPL, Jet Propulsion Laboratory aplaudiam cada etapa concluída e confirmada através dos sinais de telemetria enviados pela nave. A ansiedade aumentava à medida que a Curiosity descia e quando o narrador oficial e também controlador da missão confirmou o pouso, todo o centro de controle explodiu em aplausos, com alguns engenheiros chorando de emoção.

"Os Sete minutos de terror tornaram os sete minutos de triunfo", disse o administrador associado da NASA John Grunsfeld. "Minha imensa alegria para o sucesso desta missão é igualado apenas pelo orgulho que sinto pelas mulheres e homens da nossa equipe."

Primeira Foto

Outro momento que foi bastante festejado ocorreu quando a primeira foto foi recebida no JPL, captada pela gigantesca antena de 34 metros da Rede do Espaço Profundo, em Camberra, na Austrália. A cena era apenas um thumbnail (amostra) de poucos pixels e mostrava o horizonte marciano e uma das rodas do robô Curiosity, registrada pela câmera traseira Rear Hazcam (Hazard Avoidance Camera), que será usada pelo jipe para evitar acidentes enquanto estiver navegando.

Alguns instantes depois a mesma imagem foi recebida, mas em tamanho maior.

Entrada, descida e pouso

A fase mais difícil da missão teve início 17 minutos antes do pouso, quando o computador de bordo enviou um sinal a um conjunto de ignitores ordenando a liberação do casulo que abrigava o jipe Curiosity e seu guindaste espacial do veículo que os transportou até lá, a MSL, Mars Science Laboratory.

Atraído pela gravidade do planeta o casulo desceu vertiginosamente, a uma velocidade estimada em 22 mil km/h. Dez minutos depois, quando o altímetro-radar registrou altitude de 125 km acima da superfície teve início a entrada na atmosfera, uma fase batizada pela Nasa como "7 minutos de Terror" e que teve como objetivo reduzir a velocidade de queda para 1400 km/h.
A brutal desaceleração contra a atmosfera elevou a temperatura frontal do casulo a mais de 1600 graus, elevada o suficiente para incandescer a blindagem térmica que protegia o jipe-robô e seu guindaste.

A bola de fogo durou quatro minutos e quando o casulo atingiu 11 km de altitude o paraquedas supersônico foi aberto, reduzindo ainda mais a velocidade.


Cada vez mais devagar, o conjunto continuou perdendo altitude e quando atingiu 8 mil metros o computador de bordo ordenou a ejeção do escudo térmico que protegeu a nave do calor escaldante da entrada.


A bordo do casulo, o altímetro-radar realizava 250 leituras por segundo e a 1600 metros do chão enviou o último sinal que desprendeu o conjunto casulo-paraquedas.
Nesse instante o jipe-robô e seu guindaste continuaram a descida, freados por um conjunto de retrofoguetes. Quando estavam a poucos metros do solo o guindaste espacial se manteve equilibrado e graciosamente, com auxílio de quatro cordas, baixou o jipe-robô até o centro da cratera Gale, alvo primário da expedição.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Tudo pronto para o pouso do jipe-robô Curiosity em Marte

Se tudo correr como planejado, o jipe-robô Curiosity deverá pousar na superfície marciana às 02h31 de segunda-feira, dando início a um novo período de exploração do Planeta Vermelho. Como em outras ocasiões, o Apolo11 transmitirá o evento ao vivo junto com um chat para participação dos usuários.
Lançado em 26 de novembro de 2011, o jipe-robô partiu em direção a Marte em uma espécie de mini-corrida espacial contra os russos, que lançaram alguns dias antes a sonda Phobos-Grunt com o objetivo de ir até uma das luas do planeta e coletar amostrar do solo que seria trazida à Terra. No entanto, uma falha ainda não perfeitamente explicada impediu a missão russa de continuar.

Agora, passados pouco mais de 8 meses desde o lançamento, finalmente a nave MSL (Mars Science Laboratory) está perto de cumprir a primeira etapa de sua jornada e na madrugada de domingo para segunda-feira entregará sua preciosa carga - um jipe-robótico de 1 tonelada - ao destino.
Fases
De acordo com o cronograma do laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, JPL, que coordena a missão, 17 minutos antes de o jipe Curiosity pousar na superfície marciana terá início a fase EDL, siglas iniciais em inglês para Entrada-Descida-Pouso. Essa fase começa a 125 km de altitude e tem como objetivo liberar o casulo acoplado à MSL. A bordo do casulo segue o robô Curiosity.

Entrada
Dez minutos depois começa de fato a fase de entrada, quando a nave-casulo sofrerá uma forte desaceleração devido ao atrito com a atmosfera marciana. A desaceleração diminuirá a velocidade do artefato de 5 km/s para cerca de 400 m/s, fazendo a temperatura da estrutura ultrapassar 1600 graus Celsius.
Descida
Quatro minutos depois, quando a nave estiver a 11 km de altitude o paraquedas será aberto. Durante três minutos a nave continuará descendo e perdendo velocidade e quando atingir 8 km o escudo térmico que protegeu a nave do calor da entrada será ejetado. Alguns segundos depois, após a estabilização do artefato o altímetro-radar assumirá o controle da descida.
Pouso
Quando o conjunto estiver a 1600 de altitude, um sinal enviado pelo altímetro-radar obrigará o casulo-paraquedas a se separar do jipe-robô, que continuará a descida freado por um conjunto de retrofoguetes acoplados a um pequeno guindaste.
A fase final acontece a poucos metros do solo, quando as cordas do guindaste baixarão o jipe-robô até o centro da cratera Gale, alvo primário da expedição.
Ao Vivo
Todas as fases da missão poderão ser acompanhadas ao vivo pelo Apolochannel, que retransmite a Nasa-TV. Além disso, preparamos uma sala de bate papo exclusiva onde você poderá conversar e trocar ideias com outros participantes.

Fonte | apolo11